Festas de Nossa Senhora do Monte – Freguesia do Monte

Arraial do Monte

Inicia-se hoje uma das grandes tradições da ilha da Madeira, as Festas de Nossa Senhora do Monte, entre 5 de Agosto e 15 de Agosto.

A Romaria de Nossa Senhora do Monte data dos primórdios da colonização da ilha, e é sem dúvida o maior e mais concorrido arraial cristão da Madeira.

São várias as lendas associadas a este grande arraial, são exemplo disso a Lenda da Aparição de Nossa Senhora a uma Pastorinha 1, dos Hugunotes ou Calvinistas Franceses 2 e a lenda da Ribeira das Cales 3, entre outras. 

As festas iniciam-se com as Tradicionais Novenas, sequência de nove missas realizadas em honra de Nossa Senhora, que tem a particularidade de se iniciar com a Ladainha a Nossa Senhora, oração formada por uma série de invocações curtas e respostas repetidas, que tradicionalmente são invocadas através do canto e que em muitas paróquias, particularmente nesta, ainda pronunciadas em latim.

Estas Novenas são organizadas pelos diferentes sítios da freguesia, em que cada sítio tenta mostrar e dar o seu melhor para honrar Nossa Senhora, nomeadamente na ornamentação da igreja e no arraial que se sucede.

As Novenas são antecedidas pela oração do terço as 19:30h, sendo que a missa inicia-se pelas 20:00h.

Cada Novena, que ocorre sempre no mesmo dia todos os anos, é atribuída aos diversos sítios da freguesia, tendo um título que as identifica:

1ª Novena – 5 de Agosto “Chave de Ouro” dos sítios da Igreja, Fonte, Laginhas, Pico da Pedra e Pico.

2º Novena – 6 de Agosto “ Boa Esperança” do sítio do Curral dos Romeiros.

3ª Novena – 7 de Agosto “Bom Coração” dos sítios Desterro, Confeiteira, Cancela, Babosos e parte da Portada de Santo António.

4ª Novena – 8 de Agosto “Boa União” dos sítios do Lombo e Lombada, parte da Portada de Santo António, Quinta dos reis e Quinta do Salvador.

5ª Novena – 9 de Agosto “Paz” do sítio do Livramento e Piedade.

6ª Novena – 10 de Agosto “Emigrantes” dedicada a todos os emigrantes da freguesia residentes no estrangeiro.

7ª Novena – 11 de Agosto “Carreiros” dedicada aos carreiros.

8ª Novena – 12 de Agosto “Boa Vontade” dos sítios, Levada da Corujeira, Casa Branca, Tanque, Til e Pinheiro.

9ª Novena – 13 de Agosto “Boa Fé” sítios da Corujeira de Dentro, Corujeira de Fora e Lombos.

cartaz_arraial2015

Após a realização das novenas, a grande festa, seguida de arraial, ocorre do dia 14 de Agosto para o dia 15 de Agosto, sendo que o dia 15 é feriado na região, já que Nossa Senhora do Monte é considerada Padroeira da Madeira.

No dia 14 de Agosto é realizada a missa de vigília da festa, pelas 21:00h. Esta missa é dedicada aos romeiros (caminhantes que iam pedir milagres ou agradecer, e que reza a tradição vinham de todas as partes da ilha, percorrendo vários quilómetros a pé).

Na noite do dia 14 de Agosto, prolonga-se a festa e a animação, onde reina a folia. Milhares de pessoas visitam e concentram-se pelo centro da freguesia, onde não falta desde as tradicionais “espetadas” de carne de vaca, o bolo do caco, às bebidas regionais da ilha e habituais despiques (cantares tradicionais que surgem sempre neste tipo de acontecimentos).

No dia seguinte, dia 15 de Agosto, dia da festa, dia santo de guarda. Após a missa, que ocorre às 11:00h, presidida pelo bispo do funchal, um grande número de fiéis acompanham a procissão, que percorre o centro da freguesia.

São em grande número os fiéis que vão na procissão para pagar as suas promessas. Por vezes fazem-se acompanhar de grandes círios ou partes do corpo, feitas em cera, para assim, agradecerem as graças recebidas. Habitualmente assistimos a várias pessoas descalças ou de joelhos a realizarem a procissão, cada qual num momento de grande fé e adoração à Nossa Senhora do Monte.

A festa do Monte é, sempre, aguardada, por todos, com grande ansiedade. Muitas vezes é esta a ocasião para encontrar amigos e parentes, tal como muitos emigrantes que aproveitam esta data para visitarem a sua terra.

Matam-se as saudades, revêem-se caras e bebe-se um copo, é a perfeita harmonia entre o sagrado e o profano.

Sendo a Nossa Senhora do Monte a padroeira da Ilha da Madeira, este arraial, dos maiores da ilha da Madeira, atrai muitos devotos e público em geral.

Nesta grande festa popular, o Monte é enfeitado com os tradicionais corredores de flores coloridos e não faltam as barracas de comes e bebes, os tradicionais colares de rebuçados, os bonecos de massa e todas as outras atracções típicas dos arraiais madeirenses. A festa dura a noite toda.

Quem vai ao Monte tem que visitar a Igreja e rezar a Nossa Senhora do Monte. A Igreja com a sua soberba escadaria  e  Nossa Senhora do Monte, assumem-se como grande ex-libris de toda a festa.

.

1. APARIÇÃO DE NOSSA SENHORA A UMA PASTORINHA

Não existem documentos que fixem a data exacta da lendária e miraculosa aparição da Virgem a uma humilde pastorinha no local, também lendário, do Terreiro da Luta. 

Conta-se que no final do século XV, entre outubro de 1477 e outubro de 1945 a cerca de 1 quilómetro acima da igreja de Nossa Senhora do Monte, na localidade do Terreiro da Luta, uma pastorinha brincava durante a tarde, quando uma senhora apareceu e lhe oferecerá uma merenda. A pastorinha, muito satisfeita, contou o sucedido à sua família, que não acreditou na sua história, por ser improvável que naquela mata deserta e tão afastada da povoação aparecesse uma senhora. Na tarde do outro dia, a menina voltou para o local onde a senhora voltou a dar-lhe merenda, e a pastorinha contou novamente à família.

No dia seguinte, à hora indicada pela pastorinha, o seu pai foi de modo oculto observar a cena. Foi quando viu sobre uma pedra uma pequena imagem de Maria Santíssima e, à sua frente, a inocente pastorinha que se apressou a dizer-lhe que era aquela imagem a senhora de quem lhe falava.

O pai, perplexo, não ousou tocar a imagem e comunicou o facto à autoridade, que mandou colocar a imagem na Capela da Encarnação, ermida mandada construir por Adão Gonçalves Ferreira em 1470, próxima da atual igreja de Nossa Senhora do Monte. Deu-se, desde então, este nome àquela veneranda imagem.

Atualmente podemos ver na entrada principal da Igreja de Nossa Senhora do Monte um azulejo alusivo a esta lenda.

Fonte: http://www.visitmadeira.pt/pt-pt/a-madeira/lendas/lenda-nossa-senhora-do-monte

2. A LENDA DOS HUGUNOTES OU CALVINISTAS FRANCESES

Em Outubro de 1566, estando ausente em Lisboa, o 5º Capitão-Donatário do Funchal, Simão Gonçalves da Câmara, aportaram à Madeira, em onze navios, cerca de mil e duzentos homens, corsários franceses da religião de Calvino que invadiram, saquearam e roubaram a nossa ilha.

A Igreja de Nossa Senhora do Monte também sofreu os danos cometidos por essa terrível pirataria.

Segundo refere Gaspar Frutuoso em «Saudades da Terra» – “Os hereges franceses, nas suas fúrias de destruição foram à Igreja de Nª Senhora do Monte, e um deles pegando na imagem da Virgem despiu-a, atirando-a, pelos degraus de pedra, para a despedaçar. Porém, os degraus fizeram-se em pedaços e a imagem ficou intacta.

Arremessando com fúria a Imagem aos degraus, pela terceira vez, uma lasca de pedra viva saltou, penetrando no coração do herege que ali morreu instantaneamente”.

3. LENDA DA RIBEIRA DAS CALES

A Ribeira das Cales localizada a meio caminho para o Poiso e a uma altitude de 1980 metros, pertence, ainda, à área territorial da freguesia de Nossa Senhora do Monte. 

A água que corria nesta ribeira, em volume caudaloso, era aproveitada para rega dos campos ressequidos e, até mesmo, para uso domiciliário e doméstico. Esta água era, assim, desviada, em parte, por levadas que vinham de grandes distâncias até chegar ao destino desejado pelo captor.

Refere a lenda que, inexplicavelmente e de súbito, a água daquela ribeira e da nascente, que a abastecia, secou.

A população do Monte juntou-se e levou, em romagem, a milagrosa imagem da Senhora do Monte, até à nascente da ribeira, onde água se sumira, e eis que o milagre se operou: a água apareceu de novo, em volume caudaloso, que as gentes canalizaram em «cales» até às levadas, voltando o vigor e a frescura às culturas hortícolas das fazendas do Monte. Desde então ficou designada por «Ribeira das Cales».

Fonte: http://www.cm-funchal.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=110%3Ao-culto-a-nossa-senhora-do-monte&catid=65&Itemid=186

cartaz_arraial2015-02
cartaz_arraial2015-03
cartaz_arraial2015-04
cartaz_arraial2015-05
cartaz_arraial2015-06
cartaz_arraial2015-07
cartaz_arraial2015-08
cartaz_arraial2015-09
cartaz_arraial2015-10